Tiro Na Mosca!

Com um novo Presidente da República todos os dias surgem novidades e mais esperanças para o povo brasileiro. A economia está reagindo positivamente e grandes empresas estão anunciando significativos investimentos, reflexo da segurança jurídica que se descortina pelas ações anunciadas e a credibilidade do novo governo.

Gostem ou não os despeitados, a eleição ficou para trás, pois esta nada mais é do que um fato político e consumado que pertence à História. E o nome desta alternância de poder tem a magia de ser chamada: democracia. E não adianta choro e nem vela dos perdedores, condenados ou prováveis  condenados, pois a Lei será cumprida e igual para todos. Tudo no devido tempo. Queira a ou não a Suprema Corte do país.

A notícia alvissareira de ontem é a de que o Juiz Moro aceitou o convite formulado pelo Bolsonaro, para comandar o complexo e difícil Ministério da Justiça e Segurança Pública. O bem da verdade deveria permanecer só nome original de Ministério da Justiça, pois a segurança pública poderá voltar a ser uma das secretarias da Pasta.

Dita Secretaria sempre existiu e tem a atribuição de elaborar planejamentos para a área de segurança pública em todo o país, integrando as ações policiais com as demais Secretarias de Segurança Pública dos  estados. Bem capitaneada ela cumprirá muito bem a sua finalidade.

De outro viés, pode ter causado surpresa para muitos do juiz Moro ter aceitado para compor a equipe de notáveis do novo governo. Confesso que nunca duvidei disso, pois a certeza do futuro do indicado é um tiro certeiro na mosca, ou seja, no alvo. Não haverá risco profissional e nem frustração.

Vou explicar o por que: para aceitar o cargo de Ministro de Estado o Moro terá obrigatoriamente que pedir sua exoneração da Justiça Federal, via de consequência abrirá mãos de ser Juiz Federal por algum tempo.

Em primeiro de janeiro do próximo ano assumirá o Ministério da Justiça e Segurança Pública, devendo administrar a Pasta até que surja a primeira vaga no Supremo Tribunal Federal, quando então será nomeado para aquela Corte de Justiça. Num período inferior a dois anos pelo menos dois Ministros serão aposentados compulsoriamente em razão da idade (setenta e cinco anos).

Logo, o Moro retornará ao ninho do Poder Judiciário e continuará prestando relevantes serviços à Justiça. Exímia jogada de xadrez de quem sabe muito bem aonde quer chegar. Torço para ele se desincumba bem das funções executivas que lhe impõe às tarefas do seu novo cargo, montando uma boa equipe de assessores que possam ajudá-lo no trato das políticas públicas da área.

Principalmente no rápido equacionamento aflitivo das questões atinentes ao da segurança pública, que exigirá redobrado cuidado, atenção e muito discernimento, ponto presentemente vulnerável e sem aparente solução. E saneando o suficiente com medidas certas e que mereçam aplausos, se credenciará ainda mais para sua futura nomeação ao STF.

E o processo da denominada “Operação Lava Jato”, com certeza não sofrerá solução de continuidade, pois outro Juiz com igual estofo moral e funcional conduzirá o mesmo, até que o último ladrão seja punido...     

“Moro: de Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública, para Ministro do Supremo Tribunal Federal.  Tudo uma questão de tempo. Uma jogada certeira e bem calculada. É como dar um único tiro e acertar na mosca!”
Edson Vidal Pinto

Apoio